MITOS SOBRE CROSSFIT

Esclareça e comece a praticar

A prática do CrossFit é relativamente nova (apesar de o esporte ter sido criado há cerca de 20 anos), e trata-se de um assunto que está em alta e por isso é natural que surjam polêmicas e dúvidas. Mas nada melhor do que informação para solucionar essas questões.
Confira alguns mitos e dúvidas que vão cair por terra assim que você começar a treinar.

Vou desmaiar ou passar mal?

Não se assuste com a intensidade dos treinos ou a complexidade dos exercícios. O treino de CrossFit é composto por técnica e consistência. O que significa que primeiro é preciso garantir que o exercício está sendo praticado corretamente para depois testar os seus limites. Sem executá-los da maneira certa, os resultados esperados não virão e aí sim o risco de acidentes aparece. Além disso, existe uma diferença entre desconforto e o limite que seu corpo aguenta. O desconforto será normal, pois você está exigindo mais de seus músculos e é somente dessa forma que você terá ganhos reais.

É de alto impacto?
Sim.
Isso quer dizer que eu vou me machucar?
Não! É claro que, sem orientação adequada, sempre existe o risco de o aluno se machucar, mas é importante também conversar sempre com o seu coach e ir ajustando os exercícios e suas cargas conforme seus limites. “Nós conseguimos avaliar o aluno e desenvolver um treino para cada biótipo, mas é importante que o aluno nos dê o feedback. Assim conseguimos ajustar o que não está adequado e avançar em movimentos que já estão na fase de conforto”, explica a coach Ana Zaidan.

Rabdomiólise

Pode chamar de rabdo, se preferir, só não pode ignorar esta condição médica, que apesar de rara, é um risco real. Ela acontece quando tecidos musculares se rompem e o conteúdo das células musculares é liberado na corrente sanguínea. Uma das substâncias liberadas é a mioglobina, tóxica para os rins e que pode causar insuficiência renal e em casos severos, a morte.
A Rabdo foi descrita pela primeira vez em 1940 em vítimas de acidentes aéreos e bombardeamentos durante a Segunda Guerra Mundial. Suas principais causas são: acidentes com esmagamento, choques elétricos, exercícios de alta intensidade e desidratação após períodos prolongados de esforço. Ou seja, é preciso extrapolar todos os limites do corpo para atingir o ponto de intoxicação por mioglobina e a melhor forma de se prevenir é conhecer suas capacidades e treinar com intensidade gradual e sempre com acompanhamento de um treinador capacitado para a atividade. “O acompanhamento do coach é importante para avaliar o estágio do aluno. Se a pessoas está parada há algum tempo, por exemplo, e quer voltar a treinar com a mesma intensidade de quando parou, pode ter problemas sim. Cabe a nós avaliar e orientar a intensidade certa do retorno ao box”, explica a coach Tassia Dadda. Alimentar-se bem e beber bastante líquido também auxilia o bom funcionamento do organismo.

Vou ficar enorme ou muito forte?

Essa é uma das grandes preocupações das mulheres, mas felizmente, ou infelizmente, aumentar a massa muscular não é tão fácil assim e depende de uma série de fatores. Primeiramente, é importante lembrar que a força física está ligada à produção de testosterona, hormônio masculino, presente em baixa quantidade no corpo feminino. Por isso, homens tendem a conseguir maior definição muscular, enquanto as mulheres têm naturalmente mais curvas. Outros fatores importantes são a genética e, claro, a dieta e suplementação. Ou seja, é preciso ter o cenário propício para o aumento de massa muscular, que geralmente combina treino, dieta e uma ajuda do seu biótipo.
Preciso ser competitivo?
Sim e não. O CrossFit é uma atividade geralmente realizada em grupos, mas não é necessariamente uma competição entre participantes. Ela pode ser, se esse for o estilo do grupo e se isso for usado a favor do treino, incentivando e estimulando os participantes.
Mas na realidade, a única competição é com você mesmo, para evoluir e superar seus limites. Então, quem dita as regras e a velocidade dessa disputa é você. É recomendável manter um registro de seus treinos para poder avaliar seu desempenho ao longo do tempo.
É preciso ser atleta ou ter muito preparo físico?
Não. A prática de CrossFit é democrática e não exige preparo (leia mais aqui -> link para o post CrossFit – por que aderir). Se você teve essa impressão ao entrar em um box de CrossFit, você provavelmente está diante de um grupo que leva os treinos a sério e por isso já nota-se os resultados.
No entanto, você irá aprender sobre os movimentos essenciais do CrossFit e realizar aulas básicas até que seu treinador considere que você já está dominando os movimentos e pode evoluir a prática.

Wod, box, burpee?

Que língua é essa? Os praticantes de CrossFit têm um vocabulário próprio e que logo logo você pega. São nomes de exercícios e práticas emprestadas do inglês, idioma do fundador do esporte. Confira alguns termos:
Você não irá mais para a academia e sim para o box, seu treino se chamará WOD (workout of the day, treino do dia, em inglês) e geralmente você terá que fazer AMRAP (as many rounds as possible, quantas vezes conseguir, em inglês). Ao invés de pesos, você usará um dumbbell, fará vários burpees e quando conseguir fazer um muscle-up (subir seu corpo nas argolas), ficará orgulhoso com certeza.

Texto extraído da CrossFit High Pulse